TOCAR POR CIFRA

 

Uma partitura escrita com CIFRAS (em inglês, lead sheet) é composta por uma pauta na clave de SOL com uma melodia e os símbolos dos acordes, cifras, escritos sobre a pauta (às vezes, abaixo da pauta). Normalmente, o pianista toca a melodia com a mão direita, e cria, na mão esquerda, um acompanhamento segundo as notas especificadas pelas cifras.

Fake books é o nome dado aos livros cujas partituras são escritas dessa forma. A música popular e as partituras para teclado são assim produzidas.

Também é possível cifrar uma peça escrita em duas pautas. É muito usado como técnica de memorização, porque ajuda a fixar a sequência dos acordes. Pode-se deixar de lado o arranjo feito, e criar o seu próprio arranjo a partir das cifras. Um arranjo é a forma como um executante organiza uma canção, tanto na forma quanto no estilo (formas de acompanhamento, ritmo...).


Como começar a tocar por cifras?

  • Tocar, primeiro, a melodia com a mão direita, principalmente, se ela não é conhecida.
  • Tocar, com a mão esquerda, apenas a fundamental de cada acorde.
  • Depois, praticar, com a mão esquerda, os acordes em bloco (todas as notas executadas ao mesmo tempo) correspondentes a cada cifra.
  • Tocar de mãos juntas: melodia + fundamental de cada cifra; melodia com acordes quando não houver mais dúvidas quanto às notas de cada um.
  • Tentar manter uma pulsação constante. Não há necessidade de correr.


Para tocar bem por cifras é preciso desenvolver um trabalho que permita ao pianista executar quatro coisas apenas com duas mãos: a melodia, a harmonia, as notas do baixo e o ritmo.


Quais são as dificuldades que um professor, normalmente, encontra ao ensinar ritmo para um aluno inciante jovem/adulto?


Ritmo é a alma da música, por isso este conteúdo deve ser trabalhado cuidadosamente desde as primeiras aulas. A abordagem simultânea do ritmo (figuras e pausas de valores inteiros) e da pulsação (contada em voz alta e/ou sentida pelo aluno e percebida pelo professor) é fundamental para um desenvolvimento homogêneo, holístico e racional deste quesito por parte do aluno. Porém, por mais que a gente, como professor, se esforce para que seja natural a evolução dos conteúdos, alguns alunos vão apresentar uma ou outra dificuldade relacionada em um dos tópicos abaixo:

1) pulsação: ensinar o conceito de pulsação e a diferença entre pulsação e ritmo. A necessidade de contar e sentir sempre a pulsação. Há alunos que têm dificuldade para manter constante a pulsação; outros não conseguem contá-la e tocar; outros nem pensam na pulsação antes de começar a música. Ajuda: trabalhar intensamente os valores inteiros antes de passar para as subdivisões.

2) fórmula de compasso ternária: a tendência do aluno é esperar no tempo 3, transformando a fórmula em quaternária.

3) realização de pausas: dependendo da abordagem inicial, alguns alunos nunca terão problemas para ver e realizar as pausas. Outros precisarão de algum tipo de alerta do professor para isto.

4) colcheias: manter a visão do tempo inteiro enquanto executa 2 notas é uma abordagem interessante, que o aluno interpreta como um desafio. Na nossa experiência, até hoje, todos os alunos conseguiram realizar 2 colcheias em um tempo sem a necessidade da subdivisão “1 – e”. Importante: as colcheias só devem ser introduzidas para o aluno quando o professor estiver certo de que ele domina os valores inteiros.

5) semínima pontuada: ao explicar a origem da semínima pontuada (semínima + colcheia), torna-se fácil para o aluno visualizar que o tempo seguinte à semínima se inicia no ponto de aumento, e que, logo depois de ele falar a pulsação do ponto, ele deve bater uma nota, a colcheia (frequentemente, a semínima pontuada é seguida por uma colcheia para completar 2 tempos).

 

AO ALCANCE DA MÃO

A maioria dos alunos adultos tem algum tipo de dificuldade ou restrição quanto ao posicionamento (fôrma) das mãos e/ou quanto à articulação dos dedos. Os motivos são vários, entre eles:

  1. Tensão (própria da pessoa, excesso de uso);
  2. Dificuldade para relaxar (mãos, braços, ombros etc.);
  3. Dificuldade para se concentrar;
  4. Doenças (lesões da mão por artrite, artrose, L.E.R., fratura, tendinite etc.)

Os exercícios de relaxamento/alongamento/concentração no início de cada aula e feitos pelo aluno em casa podem contribuir para a solução do(s) problema(s) ou minimizá-lo(s).


O posicionamento equilibrado e relaxado do corpo diante do piano é fundamental para o desempenho do aluno, pois facilita a leitura da partitura, o estado de concentração e a execução e o julgamento daquilo que é tocado. Mudanças e ajustes desse posicionamento ocorrem à medida que a música é executada. Eles devem ser conscientes e feitos de forma a facilitar a execução.


Outra observação sobre esse assunto é que os movimentos ao piano devem ser, desde o princípio, executados de FORMA RÍTMICA, uma vez que a maior parte das músicas é baseada em padrões de pulsos previsíveis. Há alunos que sentem e fazem isto naturalmente, mas há aqueles que necessitam de educação nesse sentido, para não incorrerem em execuções confusas, desajeitadas e aleatórias. Sons tocados com controle de energia resultam de um trabalho rítmico bem conduzido. O que o aluno e o professor vão colher é uma execução musical fluente e coerente, por mais simples que seja a partitura.


AJUDA: 

  • O professor estabelece 3 notas (p.e. dó, ré e mi);
  • Professor estabelece o dedilhado (somente dedo 2; ou dedos 1-2-3) e qual mão usar;
  • Estabelece a região a ser tocada (pode escolher apenas uma, 2 ou mais);
  • Estabelece uma pulsação (“1 – 2 – 1 – 2...”);
  • O aluno posiciona a mão (D ou E) e toca, seguindo o pulso (p.e. semínima = 60).

 

Professor (conta): 1 - 2 - 1 - 2 - 1 - 2 - 1 - 2

Aluno (toca): dó ré mi


Experimentar outras contagens de pulsos (3/4, 4/4), outras velocidades. Acrescentar intensidade. Praticar com a outra mão. Praticar de mãos juntas, se possível.

Treinar os movimentos dos dedos fora do teclado é uma atividade recomendada para aqueles alunos que têm dificuldade de adaptação ao instrumento. Eles necessitam de mais tempo na fase de pré-leitura a fim de desenvolver: 1) mais envolvência com a música; 2) o movimento dos olhos e das mãos; 3) o raciocínio do processo de leitura.


AJUDA:

  • Apoiar todo o antebraço sobre o tampo de uma mesa, com mão curva;
  • Pontas dos dedos apoiadas sobre a superfície da mesa (polegar deitado, ligeiramente voltado para o dedo 2);
  • Articular cada dedo 4 vezes, devagar, a partir da articulação proximal (aquela mais próxima do dorso da mão), articulando pouco (isto ajuda o aluno a ter mais consciência do movimento, controle sobre ele e diminui a tensão);
  • Não quebrar a articulação distal (próxima à ponta do dedo). Ela deve permanecer firme.


AJUDA:

  • Fortalecer e firmar a articulação distal:
  • Apertar a ponta do polegar contra a ponta do dedo 2 (depois, dedo 3, 4 e 5), criando um “O”;
  • Tocar as pontas de dois dedos (polegar e outro dedo), com leve pressão, acompanhando o ritmo de uma canção conhecida (cantar “Atirei o pau no gato”, “Noite Feliz” etc.)


Exemplo de outra atividade que promove a conscientização do movimento básico dos dedos, coordenação, memorização dos números dos dedos e vivência dos sons. Em cada mudança, ajudar o aluno a avaliar a sonoridade, o conforto da mão e da execução, e a aparência do movimento.

  1. Começar com MÃO DIREITA;
  2. Escolher uma sequência de dedos (p.e. 1 – 2 – 3 – 5 – 1 );
  3. Colocar a mão direita sobre a perna direita;
  4. Articular pouco cada dedo na sequência escolhida, e pressionar levemente cada dedo sobre a coxa. Praticar várias vezes;
  5. Posicionar a mão relaxada sobre qualquer sequência de 5 teclas e tocar o mesmo exercício (sequência 1-2-3-5-1), aproveitando para:
          • Alterar o ritmo (parar na primeira nota, parar na última nota, parar na nota do meio, parar no dedo 5 etc.);
          • Tocar repetindo 2 vezes cada nota (3 vezes); repetindo somente a primeira nota, somente a última etc.
          • Tocar mais lentamente / rapidamente; muito lentamente / muito rapidamente;
          • Tocar piano / forte; pianissino / fortissimo;
          • Mudar a altura: grave, médio, agudo;
          • Posicionar a mão na posição de MI (mi-fá-sol-lá-si), tocar a sequência (1-2-3-5-1) e deslocar a mão para a posição de FÁ, SOL etc., deslocando a mão para a direita, e tocando somente nas teclas brancas. Repetir deslocando a mão para a esquerda.
          • Posicionar a mão em uma sequência teclas na qual estejam incluídas algumas teclas pretas (p. e., mi – fá# - sol# - si – mi). Experimentar outras possibilidades.
          • Acentuar um dos dedos, mantendo a pulsação da sequência.
          • Acrescentar pausas (de 1 tempo e/ou 2 tempos) entre algumas notas (p.e. dó – pausa – ré – pausa – mi – pausa – sol – pausa – dó);
          • Acrescentar staccato em todas as notas, somente na primeira, somente na última etc.
          • Combinar legato e staccato: ligar de 2 em 2 notas, de 3 em 3, terminando as ligaduras com staccato etc.


Por que o adulto decide estudar piano?

  1. Realização de um sonho;
  2. Estudou na infância/adolescência e quer retornar;
  3. Instrumento complementar de algum curso;
  4. Segundo instrumento;
  5. Ajudou ao filho e acabou se interessando;
  6. Para relaxar;
  7. Para acrescentar cultura;
  8. Aposentadoria e tempo livre.

Nos EUA, um estudo revelou que a previsão de alunos adultos, acima de 50 anos, crescerá mais de 70% no período 2000-2016, e abaixo de 50 anos, crescerá 1%. Não conhecemos esse tipo de estatística no Brasil, mas podemos dizer que, nesse período, no nosso estúdio aumentou cerca de 50% a incidência de alunos adultos acima de 50 anos.

Cerca de 2/3 dos alunos adultos prefere estudar em aulas individuais. O único fato contrário que encontramos a esse tipo de abordagem é que o aluno não tem outra referência que não seja ele. O professor deve preocupar-se em dar esse retorno de avaliação e respostas às curiosidades naturais do adulto. Livros que tratam do assunto (em inglês): Piano Lessons, Noah Adams; It’s Never Too Late, John Holt; Making Music at the Piano, Barbara Maris.


Atenção ao detalhe!

Incorporar os valores da percepção, nuances ouvidas, a riqueza harmônica dos arranjos etc. são os frutos da atenção ao detalhe. Cada acontecimento sonoro, no decorrer de uma música, é de extrema riqueza. Então, debruçar-se sobre o que está acontecendo, sem pressa, é um convite para descobertas e respostas. A atenção ao detalhe, que pode parecer uma pressão grande sobre quase nada, é a aproximação do objeto da nossa curiosidade, da música e do(s)instrumentista(s) ao nosso mundo e à nossa linguagem. É sempre bom considerar que existe muito mais do que percebemos, e se deixar levar por essa curiosidade (afetiva) pelas músicas.

Interpretação é a tradução dos valores, códigos de outro, por alguém que se propõe a entender a idéia, e vesti-la da sua compreensão. Ninguém, com respeito ao autor da idéia, irá, em sã consciência, violentar a mensagem da obra. Ninguém que perceba o detalhe de uma criação é desprovido da inteligência para valorizá-la. Ninguém que expõe a sua alma para “receber” as impressões de uma composição violentará as coordenadas que conduzem as emoções dessa inspiração. Tendo isso como máxima inegável, vemos o quanto perceber e enfatizar o detalhe é uma questão de conhecimento e compreensão da idéia.

Atenção ao detalhe! Toda maturação das informações que aproximam o avaliador/interprete do domínio da obra, da música, pavimentam a mais inspirada execução. Quando percebemos o detalhe, um processo interessante passa ocorrer ao “redor” dele. Tudo que cresce em ênfase para a nossa percepção, desencadeia uma rede de associações. Está iniciado o milagre do enriquecimento, da vestimenta que dará impacto ao resultado. Esse “crescimento” que gravita ao redor do detalhe, entre outras coisas, é também pedagógico. Conduz o estudante/avaliador/artista pelos caminhos subjetivos da singularidade daquela proposta. Sem essa dinâmica ( crescimento do detalhe), perde-se o aperfeiçoamento do todo.

Atenção ao detalhe é, entre outras coisas, um disciplinador da nossa “inteligência progressiva”. Esta, que só habilita o domínio se for consequente e é beneficiada pela disciplina da contemplação ao detalhe. Quando percebemos isso, estamos também oferecendo à obra, que é objeto de nossa análise, um efeito pessoal , artístico, com beleza e forma etéreas.

Atenção ao detalhe é um processo onde o respeito pelo mais cuidadoso, mais detido, ocorre em benefício do aperfeiçoamento da técnica, da expressão artística. Podemos especular sobre a perfeição, e sabemos todos que ela não nos é possível, mas quando, a atenção ao detalhe nos leva à proficiência, temos aí, em nosso vocabulário humano, um sinônimo (à nossa moda) para a perfeição.

Piano - som percutido

O fascínio que provoca na afeição humana, o piano, é algo de há muito conhecido. Algumas pesquisas trouxeram mais luz ao universo sonoro-harmônico do som percutido do instrumento. Com o viés mais investigativo da compreensão desse matiz com plasticidade cromática de densidade tão variável, chegou-se ao estado que motiva uma indagação: como pode um instrumento estar tão próximo da unanimidade como o piano?

Não há resposta objetiva para perguntas que abrangem tantos elementos. Mas, existem enfoques vários desse instrumento que é a ponte entre a realidade e magia.

A propriedade da mecânica (estrutura) da percussão, por si só, já deu ao instrumento uma personalidade que os outros não possuem em igual nível de destaque: a alma do balanço, do suingue! Sabemos que o predominante, que é a vida das composições, por causa do estilo, encontra-se nessa mensagem clara do balanço, da “dança”, inegavelmente, a alma da música. Nisso entra o piano, como nenhum outro, com uma carga tão rica de possibilidades, propondo a performance de uma bateria. Temos isso em músicas espanholas, tão intensamente marcadas, com virtuose em sua proposta, onde a sonoridade é percussão pura. Há tantas outras, com tempero afro etc.

A parábola formada pelo som: ataque, ascendência, pico, descendência e desvanecimento, mesmo em seu trajeto de curta duração, possui elementos de gama ampla. Ele, o som, atende os mais variados aspectos. Na sonoridade musical, excita os materiais que formam e circundam o piano em seu ambiente. Então, temos multiplicada a riqueza do timbre pelo circunstancial. No efeito de terapia, como nenhum outro instrumento, somando ao item da sonoridade musical rica já mencionada, temos um dos mais importantes para a alma da música: o balanço, suingue etc. É sabido que a catarse, o derramar das emoções, é mais completa quando o movimento, a dança sonora da proposta, fica evidenciada. Se formos definir a música, como a pintura, o som está para as cores,e o balanço está para a vida, o movimento. Mesmo as cores sem muita harmonia dentro do tema, elas possuindo a proposta definida da “dança” do movimento, estará ali expressada a alma da obra. Vida! Nenhum outro instrumento permite uma riqueza de ataque do som com tantas variáveis. Por este motivo também o piano sampleado, digital, não consegue substituir o instrumento acústico. Um dos motivos, para o músico, é o momento do seu estado de espírito. Todas as vezes que algo tolhe a sensibilidade/afetividade (emoções) do momento, esse algo bloqueia, empobrece a fluência da performance. Um detalhe pode roubar a presença da alma. Na improvisação, a percepção de cada um, de harmônicos percebidos, e que se salientam no timbre daquele musicista, é de extrema importância para a vida da execução. O detalhe, quando dominado, ancorado pelo executante, dá à interpretação da música o ápice da cereja no bolo. Outro recurso inigualável do instrumento, do som, é o volume. Vai-se do sussurro à explosão do trovejar retumbante que ecoa em grandiosidade impar. Impossível de ser conseguido em instrumento sampleado. Isso possui íntima relação com a propriedade da parábola do som. As tonalidades então, no tempero da afinação, podem oferecer à precisão surpresas que encantam. Pode enriquecer algumas em detrimento da precisão de outras. E teremos na criação, improvisação, as menos temperadas para tensão mais acentuada da harmonia, dando mais dramaticidade, densidade na dissonância do contraste, quando caminhamos no desenrolar da poesia musical.

 

Voltar para indice artigos